Lei da gravitação universal

quarta-feira, 6 de abril de 2011 2 comentários

A lei da gravitação universal, proposta por Newton, foi um dos maiores trabalhos desenvolvidos sobre a interação entre massas, pois é capaz de explicar desde o mais simples fenômeno, como a queda de um corpo próximo à superfície da Terra, até, o mais complexo, como as forças trocadas entre corpos celestes, traduzindo com fidelidade suas órbitas e os diferentes movimentos.

Segundo a lenda, Newton, ao observar a queda de uma maça, concebeu a idéia que ela seria causada pela atração exercida pela terra. A natureza desta força atrativa é a mesma que deve existir entre a Terra e a Lua ou entre o Sol e os planetas; portanto, a atração entre as massas é, com certeza, um fenômeno universal.






A lei da gravitação universal de Newton é expressa matematicamente pela equação abaixo:

G é uma contante gravitacional e seu valor é igual a 6,67.10-11 N.m2/Kg2 m1 e m2 são as massas dos corpos que se atraem, medida em Kg. r é a distância entre os dois corpos, medida em metros(m). F é a força gravitacional, e é medida em N. Com tal equação matemática Newton descobriu que os corpos se atraem mutuamente, fazendo com que eles não caiam uns sobre os outros e sempre mantenham a mesma trajetória, ou seja, a sua órbita elíptica ao redor do Sol, como descobriu Johannes Kepler em uma de suas três leis do movimento dos planetas. Podemos, ainda, enunciar a lei da gravitação universal do seguinte modo: Dois corpos se atraem gravitacionalmente com força cuja intensidade é diretamente proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre seus centros de massa.


OBSERVAÇÕES:


1ª) A força gravitacional é sempre de atração


2ª) A força gravitacional não depende do meio onde os corpos se encontram imersos.


3ª) A constante da gravitação universal G teve seu valor comprovado experimentalmente por Henry Cavendish por meio de um instrumento denominado balança de torção.



CAMPO GRAVITACIONAL


A Terra, assim como todos os corpos celestes, exerce uma força de atração gravitacional sobre os corpos localizados em sua proximidade. Desprezando os efeitos rotacionais do nosso planeta, podemos assimilar o campo gravitacional do seguinte modo: A intensidade do campo gravitacional pode ser medida pela aceleração gravitacional adquirida por um corpo de prova no interior do campo. Sua medida é feita utilizando-se da Lei de Newton, em que a força gravitacional exercida pelo planeta é o próprio peso do corpo na posição em que se encontra dentro do campo gravitacional. Como o peso do corpo de massa m é a força gravitacional com que ele é atraído pela Terra

Fontes :http://www.coladaweb.com/fisica/fisica-geral/lei-da-gravitacao-universal;http://www.brasilescola.com/fisica/gravitacao-universal.htm;http://www.infoescola.com/fisica/lei-da-gravitacao-universal/ e http://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_da_gravita%C3%A7%C3%A3o_universal

2 comentários:

  • Murilo Pimentel disse...

    Para Einstein a gravidade não é uma força, no sentido tradicional qua damos a este termo na física. Segundo ele


    a gravidade é uma manifestação da curvatura do espaço-tempo.

    a curvatura do espaço-tempo é produzida pela massa-energia contida nele
    A Teoria da Gravitação Universal proposta por Isaac Newton utiliza os conceitos de espaço e tempo. Isso foi mudado com o advento da Teoria da Relatividade Restrita, proposta por Einstein em 1905. Nessa época foi introduzido o conceito de espaço-tempo como uma única entidade, ao contrário do espaço e tempo separados da física Newtoniana. Isso foi proposto pelo físico alemão Hermann Minkowski ao realizar estudos sobre a teoria da relatividade restrita. No entanto, o conceito de espaço-tempo definido na Teoria da Relatividade Especial não pode ser simplesmente transferido para a relatividade geral.

    Fonte:http://www.on.br/certificados/ens_dist_2008/site/conteudo/modulo5/8-estrutura-matematica-equacoes/teoria-grav-einstein.html

Postar um comentário